domingo, 23 de agosto de 2009



Não, não ofereço perigo algum: sou quieta como folha de outono esquecida entre as páginas de um livro, sou definida e clara como o jarro com a bacia de ágata no canto do quarto - se tomada com cuidado, verto água límpida sobre as mãos para que se possa refrescar o rosto mas, se tocada por dedos bruscos num segundo me estilhaço em cacos, me esfarelo em poeira dourada.

Caio Fernando Abreu

3 comentários:

Luna Sanchez disse...

Hummmmmmm

Lindo demais!

Eu, se tomada com ímpeto, posso reagir muito mal e revidar, ou me apaixonar perdidamente...ahahahahaha.

Beijos de terça.

ℓυηα

Aline disse...

Nossa, eu adorei essa sua imagem no inicio da página... e o que está escrito nela também é lindo, adorei mesmo. A frase é de quem?

Bom, e do Caio nem preciso dizer nada, parece que ele sempre tem alguma coisa pra falar, alguma coisa que sempre fala por nós. Belo trecho dele.

obrigada pelos comentários no meu blog, beijos queerida.

Javier Vila Grijuela disse...

www.monumentosmundiales.blogspot.com