terça-feira, 29 de setembro de 2009



Ah, e dizer que isto vai acabar, que por si mesmo não pode durar. Não, ela não está se referindo ao fogo, refere-se ao que sente. O que sente nunca dura, o que sente sempre acaba, e pode nunca mais voltar. Encarniça-se então sobre o momento, come-lhe o fogo, e o fogo doce arde, arde, flameja. Então, ela que sabe que tudo vai acabar, pega a mão livre do homem, e ao prendê-la nas suas, ela doce arde, arde, flameja.

in "Onde estivestes de noite" - 7ª Ed. - Ed. Francisco Alves - Rio de Janeiro – 1994

Clarice Lispector

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Deve ser mentira.


Deve ser mentira ...
Tudo isso que sinto.
Uma invensão desse tolo coração
Que se embriaga nessa  saudade ...

Deve ser mentira...
A sua inconstância
Me irrita..
Tem dias em és tudo
Noutro é nada.

Deve ser mentira...
Ai penso: - você parece não se importar com a
Minha solidão.


Deve ser mentira
Esse "amor"
É deve ser isso...
Mentira.

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Para esquecer...



 
Não se ensina amar a quem não sabe
Não se ensina enxergar quem nasceu cego
Não se ensina ser reto um ziguezague
Não se ensina ser "id" o "superego"

Não se ensina ser doce o que é amargo
Não se ensina ser reto o que é torto
Não se ensina ser vivo o que é morto
muito menos, estreito o que é largo

Não se ensina alicerce a voar
Não se ensina ser duro o que é suave
Não se ensina ser belo o que é vulgar

Não se ensina estátua ter saudade
Não se ensina uma pedra a amar
Não se ensina a mentira ser verdade.
 
[Gilmara Costa]

domingo, 20 de setembro de 2009



"E ela não passava de uma mulher... inconstante e borboleta." 
Clarice Lispector

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Entreolhares

Ana Carolina

Composição: Ana Carolina/Antonio Villeroy/John Legend
 
Se ficar assim me olhando
Me querendo, procurando
Não sei não eu vou me apaixonar
Eu não tava nem pensando
Mas você foi me pegando
E agora importa onde vá
Me ganhou vai ter que me levar
Você me vê assim do jeito que eu sou
É e faz de mim, tudo que bem quer
Eu que sei tão pouco de você
E você que teme em querer
Se ficar assim me olhando
Me querendo, procurando
Não sei não eu vou me apaixonar
Eu não tava nem pensando
Mas você foi pegando
E agora não importa onde vá
Me ganhou, vai ter que me levar
Com você é bom qualquer lugar

 Que música!!!
Ana é Ana né!

domingo, 13 de setembro de 2009

 
"Toda a minha saudade, e o meu amor de sempre." 
[C.F.A]

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Roda Gigante...

Ao olhar para esse céu... vejo que as nuvens passam, com o sobrar dos ventos elas também me fazem lembrar que o nosso tempo está por chegar... Assim como as nuvens por algumas vezes me parecem tão perto... Te imagino aqui... Quando chego ao alto da roda gigante e fico próxima dessas que mais me parecem algodão...   Sinto também o frio na barriga... pés e mãos geladas... Acredito que tudo irá resistir aos altos e baixos de tudo que vivemos até hoje... irei te esperar... Por mais dificil que isso seja... Tento imaginar, o Nós.. ando por ai sempre a pensar, canto as melodias que cantamos juntos... Quero ser feliz ...e te fazer ... Ouvir seus planos... E planejar os nossos... Sabe, que em toda minha vida só andei uma vez de roda gigante... E a sensação não esqueci até hoje... O medo, a insegurança, a dúvida, a loucura, a ansiedade, a alegria... O "esperar" me deixa assim... Também... Tentar enganar esse bobo, tolo chamado coração não dá... Tudo que ele quer é ver você chegar...  Vem pra cá ... ficar bem perto de mim e me faz esquecer o tempo que fiquei sem te ver, te tocar, te sentir... Diz no meu ouvido que é Amor tudo isso... que esses sentimentos de medo, insegurança... não fazem sentido algum... Que ficaremos juntos... Num tempo chamado sempre... Que essa roda gigante não trará nada além de alegria,  prazer... loucura... e felicidade de estarmos bem no alto e "livres" de toda essa distância... chega e fica em mim...

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Em quatro letras...

Você
Traz
Amor
Vida.
Tudo
Será
Mais
Leve.
Tudo
Raro.

Diga,
Você
Virá
para
meus
Dias?
Karlla Faby

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Separação



Separar... Ficar longe... Foi à única solução para eles. Romper os laços de afeto, companheirismo e ficar de vez distante do amor. Ela o amava tanto... E me lembro bem dos olhos cheios de lágrimas quando disse: Será melhor assim? Esquecer tudo que vivemos... As tardes de domingo esparramados no chão assistindo aos nossos filmes preferidos... Nossos risos, o medo não dividirá comigo? Vai sempre ser assim? E o frio que irei sentir! Se tuas mãos não estarão a me envolver? Diga-me será assim mesmo? Não posso acreditar que tudo que sonhamos um dia irá se dissolver como quando a gente enche a mão de areia e ela vai caindo devagarzinho... Ele revelou um olhar tristonho aqueles de cortar o coração. Deu-lhe um abraço e continuou a afirmar: Não poderemos fugir da separação meu amor... Ela é inevitável. Meu amor! Ela lembra bem da primeira vez em que a chamou assim... Estavam sentados no terraço da casa dela e entre abraços e beijos ele se referiu a ela com essas duas palavras doces. Eles continuavam abraçados quando as lembranças na cabeça de cada um os fizeram viajar por alguns minutos... Lembra amor da primeira vez que nos vimos? Lembro sim era uma tarde de sol quente quando fomos apresentados... Tarde que nunca mais esqueci. Nossa! O olhar que lançou para mim envolveu meu coração tão sozinho. Eu que me encantei por seu sorriso largo, meio bobo... Bobo? Não era bobo. Acho que já estava apaixonado por você. E daquela crise de ciúmes? Nossa como você pôde ter ciúmes daquele menino... Ele era tão feio. Feio? Era sim. Não era! Ta bom não vamos mais falar nele. Eram muitas as lembranças que cada um guardava consigo. Era a despedida, era um novo tempo! Tempo de cada um buscar novos horizontes, novos caminhos... Na verdade eles queriam ouvir um do outro "acorde, estamos nos perdendo, vamos mudar, mas juntos". “Em cada um em seu íntimo, sentirão a solidão e o vazio do que não mais existe, existirá o "eu" e não mais o "nós", quem sabe neste momento poderá de novo valorizar e desejar o "juntos" ao "sozinho", o "falar" ao "calar", "partilhar" ao "dividir", a "paz" a "briga", "espiritualidade" ao "poder e dinheiro", "humildade" ao "orgulho", o "diálogo" ao "silêncio", a "proximidade" a "distância". Tudo irá mudar... As mãos dadas... Eles então se despediram com um beijo doce na boca... no fundo tinham esperança de que eles estariam juntos novamente... Qualquer dia...Qualquer hora...