segunda-feira, 15 de novembro de 2010


"E ela não passava de uma mulher... inconstante e borboleta." 

5 comentários:

Anami Brito disse...

Linda imagem!!!

Poemas e Amizades disse...

"E ela não passava de uma mulher... inconstante e borboleta."
Curioso trecho de Clarice, cujo contexto desconheço. Impossível estar certo do que dizer. Não passar de uma mulher equivalia a muita coisa quando Clarice escreveu, mas agora equivale a tão pouco. Não passar de uma mulher hoje mal se aplicaria, talvez, a uma condição física de fragilidade, pois nem em todos os casos se aplica... Até a década de setenta, quando essa brasileira-judia-ucraniana escreveu, não passar de uma mulher era um extrato de todos os preceitos-conceitos-preconceitos de diferença sexual. Hoje estamos bem longe disso. Hoje, para “não passar” é preciso adjetivar. “Ela não passava de uma mulher sonhadora...
Sobrou-nos o inconstante e borboleta, tema predileto de nossa blogueira. Mas as borboletas são constantes em si. Foram inconstantes justamente antes de serem borboletas. Talvez agora sejam inconstantes ou indecisas apenas quanto às flores onde pousam, e todas as flores disputam seu pousar. Aliás, borboleta e flor dá poesia, com certeza. Talvez seja isso...
Mas, como já disse, é impossível estar certo do que dizer...
Um abraço carinhoso
Lello

Ceci disse...

Que lindo!

Ceci disse...

Muito lindo!

Pedra do Sertão disse...

Oi, para você que gosta de borboletas, veja este lindo poema de Manoel de Barros:

"A maior riqueza do homem
é a sua incompletude.
Nesse ponto sou abastado.
Palavras que me aceitam como
sou - eu não aceito.
Não agüento ser apenas um
sujeito que abre
portas, que puxa válvulas,
que olha o relógio, que
compra pão às 6 horas da tarde,
que vai lá fora,
que aponta lápis,
que vê a uva etc. etc.
Perdoai
Mas eu preciso ser Outros.
Eu penso renovar o homem
usando borboletas".

Abraço