domingo, 19 de agosto de 2012

O grito.

  

      A cada dia busco no fundo de minha alma esperanças de dias melhores. Tenho tido dias em que o marasmo e a rotina se entrelaçam. A rotina dos mesmo sentimentos, dos mesmos desejos, dos mesmo olhares... Embora eu me mantenha distante, esse sentimento se fortalece em meu ser. Ao olhar bem no fundo de minha alma, percebo que a dor distrói, me culpa, me leva à pensamentos depressivos. Rezo, peço o olhar de Deus para que meus dias, busco soluções e acredito que tenho feito de maneira errada, me apresiono em meus pensamentos, não conto, não confesso, não grito. O grito, que talvez ninguém chegue a ouvir.

Nenhum comentário: