segunda-feira, 19 de outubro de 2009




"Às vezes me lembro dele. Sem rancor, sem saudade, sem tristeza. Sem nenhum sentimento especial a não ser a certeza de que, afinal, o tempo passou. Nunca mais o vi, depois que foi embora. Nunca nos escrevemos. Não havia mesmo o que dizer. Ou havia? Ah, como não sei responder as minhas próprias perguntas! É possível que, no fundo, sempre restem algumas coisas para serem ditas. É possível também que o afastamento total só aconteça quando não mais restam essas coisas e a gente continua a buscar, a investigar — e principalmente a fingir. Fingir que encontra. Acho que, se tornasse a vê-lo, custaria a reconhecê-lo"

[C.F.A] 

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Quero ser tua melodia







Quero todos os acordes dedilhados em mim.
 Quero o toque preciso de tuas mãos.
Quero a tua voz ao pé do ouvido.
 Quero ser tua melodia.
Quero sim...quero você só pra mim.
Toca-me então. 
e faz música mesmo na escuridão.







sábado, 3 de outubro de 2009

Hoje ela é só

 

Ela já não é mais a mesma.
O sorriso fácil já não consegue oferecer.
Antes ela era leveza e  alegria.
Hoje ela é só.
Hoje ela carrega consigo todas as marcas
deixadas por quem não soube valorizar seu colo.

Queria ela, que todas as marcas fossem sumindo com o tempo.
Despero!
Não chega a tanto.
Deseperar-se ela não irá.
Só sente, chora, cala, ouve e algumas vezes rir.
[Poucas vezes ela se sente só também]

Ela é bem mais o que pensa ser.
De veras ela irá chorar algumas noites em seu sofá
Mas todas as noites irá lembrar que tudo que ela mais quis foi amar.

Amar, perdoar...
Esquecer, viver...
Iludir, desiludir...
E esperar.